Otimizando o gerenciamento de TI – Parte 1

0

Foi-se a época em que o gerenciamento de TI era tarefa simples. “No passado
o ambiente centralizado nos mainframes, onde o pessoal que possuía acesso
a TI era exclusivamente o pessoal de CPD, altamente treinado, não trazia grandes
dificuldades para o gestor de TI.” NEXTG(2005).

“O surgimento do ambiente cliente servidor tornou o gerenciamento um pouco
mais complexo, onde tudo era realizado em diferentes máquinas com diferentes
aplicações e em tempo real. Isso proporcionou “a todas as esferas empresariais
acesso à informação”. “NEXTG(2005). Com a queda livre nos custos da tecnologia,
muitas empresas de pequeno e médio porte passaram a utilizar-se da TI como
diferencial em seus negócios.

“A febre tecnológica causada pelos pacotes de gerenciamento integrado, que
prometiam grande produtividade, integração total e comunicação eficiente fez
com que muitos executivos entrassem de cabeça, realizando altos investimentos.”NEXTG(2005).
Mas o fato é que muitos desses investimentos foram realizados por modismo
e o retorno esperado nunca aconteceu.

Devido este fato e outros, “o gestor estritamente técnico começa a ser substituído
por um homem de negócios, que seja de capaz de “gerenciar recursos e atuar
como estrategista da tecnologia.””NEXTG(2005). Existe então a necessidade
de haver perfeito entrosamento e alinhamento entre as estratégias de TI e
as da organização.  

Estamos nesta época de forte dependência da TI(assim como dependemos da
eletricidade, água, transportes). Empresas de grande porte possuem sua cadeia
de produção totalmente apoiada em sistemas ERP, comercializam produtos com
seus clientes e fornecedores via Web (E-business), Supply
chain
, utilizando tecnologias que foquem seus melhores clientes como o
CRM. Seus gerentes e diretores dependem diretamente da mineração de
dados(Data Minning) e da inteligência embutida nos sistemas(Business
Inteligence
) para a tomada de decisões. Pequenas e médias empresas utilizam
a TI para cuidar do armazenamento de dados, gerenciamento de sua rede de computadores,
divulgação via Web e comercialização(E-Commerce), gerenciamento
de base de dados etc. Devido aos elevados custos existentes no setor de telecomunicações,
mais e mais empresas estão optando por utilizar serviços de VOIP. Muitos
projetos são elaborados por equipes que nunca se viram, estabelecidas em lugares
remotos e trabalham via e-mail, mensagens instantâneas, troca eletrônica de
documentos(EDI) etc. Isso sem contar com todo o trabalho de gerenciamento
de infra-estrutura, aplicações, segurança e desenvolvimento já existentes.

Á poucos anos atrás a área de TI era vista primariamente como otimizadora
de rotinas de escritório. No entanto podemos observar, que nas empresas, mais
e mais funções estão sendo agregadas a este departamento, funções estas, que
muitas empresas dependem diretamente para poderem funcionar ou obter lucros.

A verdade é que todo este aparato de tecnologias exige dinheiro para ser
implementado, mantido e atualizado. Exige também pessoal qualificado, para
poder gerenciá-lo adequadamente; o que na visão dos executivos representa
mais cifrões no orçamento.

Em contra-partida, alguns seguimentos de mercado têm apresentado um encolhimento
(por vezes temporários, devido à instabilidade do mercado) que exigem redução
de custos e crescimento no faturamento para a manutenção da empresa como geradora
de lucro. 

Possuindo as empresas toda esta dependência tecnológica, surge um grande
dilema. Como reduzir custos no departamento de TI e mesmo assim continuar
crescendo? Este dilema se parece um pouco com a idéia de aumentar a produção
em 20% reduzindo o consumo de energia e de matéria prima em 30%. 

É com esta questão que muitos CIOs tem se deparado. “Apesar dos quase 30
anos de experiência na área de TI, o CIO da Xerox do Brasil, Fernando dos
Santos Chaves, deparou-se no fim de 2001 com uma situação até ali inédita
para ele: promover um corte de custos da ordem de 30% em seu departamento.
"Foi uma experiência dolorosa, porque na época eu não sabia como conduzir
o processo", conta. "A grande dúvida era escolher onde cortar para
a empresa não parar."”CESAR.(2003)

Esse não tem sido um caso isolado. “Na edição de 2003 de uma pesquisa anual
realizada pelo Gartner para apurar as prioridades de gestão dos CIOs da América
Latina, o primeiro lugar ficou, disparado, com o item "reduzir o custo
total de TI", citado por 82% dos diretores de tecnologia entrevistados.”CESAR(2003)

Em uma pesquisa realizada pela DELOITTE & TOUCHE apud CIO(2005), entre
as prioridades para os próximos 12 meses dos executivos de TI, estava o item
reduzir custos, conforme pode ser visto na figura 1: 

Figura 1: Prioridades dos executivos para os próximos
12 meses

Fonte: Adaptado de Deloitte
& Touche apud CIO , 2005

Percebe-se então a necessidade de otimizar o gerenciamento de TI com o objetivo
de reduzir custos diretos e indiretos em todos os processos.

Este trabalho procura apresentar os possíveis caminhos para a otimização
e a redução de custos no gerenciamento de TI. Com base nos processos existentes,
ele procura elucidar, como algumas modificações, podem contribuir para o sucesso
do gestor de TI. Seu primeiro foco está no gerenciamento da infra-estrutura.
Posteriormente são apresentados, conceitos que se aplicam em todos os seguimentos
da TI.

Sua estrutura iniciará com os processos mais comuns de gerenciamento. No
capítulo 2 será apresentado o gerenciamento de desktop´s e as possíveis
soluções para otimização e redução de custos no seu gerenciamento. O capítulo
3 irá apresentar o gerenciamento de servidores. O capítulo 4 irá apresentar
as formas de se medir e melhorar os resultados, por meio de padrões. O capítulo
5 abordará o tema terceirização como redução de custos.

Este trabalho foi elaborado com base em pesquisas bibliográficas a literatura
técnica disponível. Também foi-se empregado um estudo de caso, onde se quantificou
os resultados conseguidos, empregando as recomendações aqui apresentadas.
Os resultados são apresentados em algumas tabelas distribuídas pelo trabalho. 


->Continuar artigo

0